NAVEGAÇÃO VISUAL E ESTIMADA – MÉTODOS DE NAVEGAÇÃO / A TERRA E A NAVEGAÇÃO AÉREA – AULA 1

Navegação Aérea Visual e Estimada é uma matéria que exige estudo profundo e constante por parte do aluno. Além de possuir diversos tópicos que infelizmente precisam ser decorados, a navegação também traz na bagagem muitos cálculos matemáticos que, embora simples, demandam prática. Boa aula!

Música para a aula: 

OS MÉTODOS DE NAVEGAÇÃO

  • NAVEGAÇÃO VISUAL OU POR CONTATO: É o método de navegação mais simples. Consiste no constante contato visual do piloto com o terreno que, através de pontos de referência na superfície, faz a sua navegação.
  • NAVEGAÇÃO ESTIMADA: Nesse método o piloto realiza cálculos específicos para determinas os estimados em cada um dos pontos de referência (Waypoints) da rota. Para esse tipo de navegação, têm-se como instrumentos básicos: a bússola de navegação, o velocímetro, uma carta aérea da região onde pretende-se voar e um relógio.
  • NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA: A posição da aeronave é calculada através de equipamentos eletrônicos capazes de determinar a sua localização de forma rápida e precisa. Esse método de navegação é muito empregado em aeronaves com alta tecnologia embarcada, não sendo utilizado na aviação geral, sendo assim, não convêm aprofundar esse assunto no curso de Piloto Privado.
  • NAVEGAÇÃO CELESTIAL: Método antigo para caral**, onde o navegador se localiza por meio dos astros utilizando um equipamento chamado “sextante”. Não precisa saber mais que isso.
  • RADIONAVEGAÇÃO: Equipamentos instalados na aeronave captam ondas de rádio transmitidas por estações em terra e, através da interpretação desses instrumentos, determina-se a posição da aeronave. É um método extremamente difundido hoje em dia, e que será visto com mais detalhamento no curso de Piloto Comercial/IFR. No curso de Piloto Privado, já bastam explicações sobre os aspectos básicos dos principais instrumentos de radionavegação, como o VOR e o ADF.
  • NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE: O GPS (Global Positioning System) que comanda a parada. Ele determina com facilidade e precisão a posição geográfica da aeronave. O fato de ser um equipamento de uso descomplicado, de baixo custo e por possuir boa precisão tem feito o GPS cada vez mais presente na aviação.

A TERRA E A NAVEGAÇÃO AÉREA 

A terra não é redonda.
– Hãn? – Galileu se revirou no túmulo agora. Mas é a verdade. Embora Galileu estivesse absolutamente correto quando defendeu que a terra não era quadrada, muito menos plana (e ainda foi perseguido pelo clero por tamanhos “absurdos”), a terra não é redonda, mas ela está muito perto disso. O fato é que nosso planeta possui um pequeno achatamento nos pólos, não sendo exatamente uma esfera perfeita.  Ou seja, a terra é quase redonda. 

CÍRCULO MÁXIMO

Ao se dividir uma esfera em 2 parte idênticas por um plano, este plano, passando pelo centro da esfera, forma o chamado círculo máximo. São exemplos de círculo máximo: o meridiano de Greenwich, a linha do equador, e qualquer outro plano que passe pelo centro da terra.

CÍRCULO MENOR

A esfera é dividida em duas partes desiguais por um plano que não passa pelo centro da terra. São exemplos de círculos menores: os paralelos e os trópicos.

MOVIMENTOS DA TERRA

ROTAÇÃO A terra gira em torno de seu próprio eixo imaginário. Tal eixo possui uma inclinação de 23,5º, essa inclinação é a responsável pela diferenciação das estações do ano entre o Hemisfério Sul e o Hemisfério Norte.
O movimento de rotação tem duração de 24hrs, sendo realizado em sentido anti-horário. Esse movimento também é o responsável pelos dias e noites.

TRANSLAÇÃO – É o movimento da terra ao redor do sol. Esse movimento tem a duração de aproximadamente 365 dias (366 em anos bissextos), o equivalente a um ano (jura?), e é o responsável pelas estações.

MERIDIANOS

Um meridiano é uma semi-circunferência (180º) de um círculo máximo, sendo limitado pelos pólos. Todo meridiano indica o Norte/Sul verdadeiros, e todos eles cruzam perpendicularmente (num ângulo de 90º) a Linha do Equador. Os meridianos variam de 0º a 180º para Oeste (O ou W) ou Leste (L ou E) a partir do Meridiano de Greenwich. 

MERIDIANO DE GREENWICH – É o meridiano que passa sobre a cidade de Greenwich na Inglaterra.
Por convenção, o Meridiano de Greenwich divide o globo terrestre em Ocidente e Oriente, permitindo, assim, medir a Longitude. O Meridiano Zulu (como também é conhecido) também determina a Hora Universal Coordenada (UTC), ou seja, o horário de Greenwich é o horário universal da aviação, isso será visto com maior profundidade mais adiante.

MERIDIANO 180º ou LINHA INTERNACIONAL DE DATA – É o anti-meridiano (oposto em 180º) do Meridiano de Greenwich, e marca o ponto no qual ocorre a mudança de data. Ou seja, ao atravessá-lo, muda-se o dia. A Leste, é um dia a menos do que a Oeste dessa linha localizada no Oceano Pacífico.

PARALELOS

Um paralelo é todo círculo menor paralelo a Linha do Equador. Os paralelos variam de 0º a 90º para Norte (N) ou Sul (S) a partir da Linha do Equador. 

LINHA DO EQUADOR – É o nome dado à linha imaginária que constitui um círculo máximo que atravessa a terra perpendicularmente ao eixo de rotação da terra. A Linha do Equador possuí como principal finalidade a divisão da terra em Hemisfério Sul e Hemisfério Norte.

REGULAMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO – UNIDADES DE MEDIDA / ALFABETO FONÉTICO – AULA2

Na aviação mundial, com raras exceções, são utilizadas unidades de medidas padronizadas afim de garantir maior segurança e agilidade na comunicação e, consequentemente, no voo em si. Essas unidades encontram-se no ANEXO 5 da OACI (Organização de Aviação Civil Internacional), e são as seguintes:Clipboard01

Clipboard02

Assim como são utilizadas Unidades de Medida padrões, a aviação mundial possuí uma alfabeto fonético que deve ser utilizado para: soletrar, por radiotelefonia ou outros meios de comunicação verbais, abreviaturas, indicadores aeronáuticos, matrículas de aeronaves ou até mesmo palavras de pronúncia duvidosa. Untitled presentation

Já os números são lidos normalmente, em português, com exceção do algarismo “1”, que será lido como “UNO” e o “6”, que será lido como MEIA”. Ao ler uma frequência, por exemplo 116.70 MHz, teremos: UNO UNO MEIA SETE ZERO, ou UNO UNO MEIA DECIMAL SETE.